segunda-feira 8 de março de 2021
Foto: Divulgação
Home / DESTAQUE / Caoa admite interesse e vira esperança para fábrica da Ford na Bahia
terça-feira 19 de janeiro de 2021 às 07:19h

Caoa admite interesse e vira esperança para fábrica da Ford na Bahia

DESTAQUE, NOTÍCIAS


Ele também foi pego de surpresa. Carlos Alberto de Oliveira Andrade, chairman do grupo Caoa e maior revendedor Ford do país, não esperava ver o que viu: a montadora, com 102 anos de história no país, encerrar a fabricação dos carros (leia-se Ka e Ecosport), além do Troller no Brasil.

Diante do fato e da oportunidade, ficou no ar uma pergunta que tomou conta dos bastidores da indústria na semana passada. A Caoa, grupo que tentou acertar com a Ford Caminhões para assumir a finada fábrica do ABC em 2019, estaria interessado no complexo industrial de Camaçari (BA)? Continuaria com a história do Ka, por exemplo, e pagaria royalties por isso? E teria à sua disposição um time de profissionais treinados, fornecedores tecnicamente prontos e uma fábrica moderna nas mãos?

Sabemos que o governo federal procura alternativas para o caso, buscando marcas chinesas – e a Chery, parceira do grupo Caoa no país, foi contatada. A empresa é a mais forte candidata para ocupar o lugar da Ford na Bahia, devido à parceria com a Caoa – que já conhece o mercado local e os caminhos do progresso.

A década de Caoa | Exame
Caoa em sua casa, em São Paulo / Foto: Divulgação

Carlos Alberto de Oliveira Andrade interrompeu um tempo de sossego nas operações das empresas e conversou com UOL sobre a chance disso tudo acontecer. “Sempre tenho interesse em novos negócios, mas é preciso analisar todo o processo porque não queremos desgastar a nossa imagem. E só iremos para frente se eu sentir muita segurança”.

Caoa disse que precisa saber o que eles (Ford) querem vender e ainda reforçou: “o governo também precisa dar condições de trabalho”. O chefe do grupo falou que tudo pode acontecer, pois considera bastante os incentivos fiscais do regime automotivo do Nordeste, prorrogado até 2025. Mas tudo, por enquanto, é uma hipótese.

Lembro que, no ano passado, a única empresa a anunciar investimentos na região foi a antiga FCA, hoje Stellantis, para os próximos cinco anos. Recordando que as montadoras teriam que cumprir com o decreto de agosto de 2020 que diz: sobre os investimentos de novos produtos e pesquisas para o regime atribuindo um valor mínimo de R$ 2,5 bilhões nos próximos anos. Quanto ao caso das autopeças, R$ 500 milhões.

Em 2019, o presidente da Ford, Lyle Watters, já falava sobre um esforço de toda a cadeia para tornar viável a produção de uma nova família de produtos em Camaçari. E, um ano antes, a Ford mundial anunciava seu foco de mercado global: SUVs, picapes e comerciais leves.

Agora é esperar os próximos capítulos para saber se existem ou não possibilidades desse projeto avançar. Porque hoje, o foco do grupo de Carlos Alberto de Oliveira Andrade é o aumento de produção da planta de Anápolis (GO), o crescimento da Caoa Chery e a contração de novos 150 profissionais em Goiás.

Rui e Leão buscam em Brasília atrair nova indústria automobilística para a Bahia

Ford de Camaçari convoca funcionários para produzir peças de reposições

Ford fecha temporariamente fábrica na Alemanha

Veja também

Bilhete com nomes de ministros foi gota d’água para ação contra Lava-Jato

Um bilhete apócrifo apreendido em julho de 2015 por policiais federais foi a gota d’água …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!