terça-feira 11 de agosto de 2020
Foto: Reprodução/Reuters
Home / CURIOSIDADES / Coronavírus: por que os EUA compraram todo estoque mundial de remdesivir?
quinta-feira 2 de julho de 2020 às 09:51h

Coronavírus: por que os EUA compraram todo estoque mundial de remdesivir?

CURIOSIDADES, NOTÍCIAS


O governo dos Estados Unidos comprou praticamente todo o estoque mundial do remédio remdesivir para os próximos três meses. Produzida pelo laboratório Gilead, a droga pode abreviar a duração dos sintomas de covid-19 e é a primeira a ser aprovada por autoridades americanas para ser usada no tratamento contra a doença (que não seja em caráter experimental).

Um comunicado do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA afirmou que o presidente americano, Donald Trump, obteve um acordo “incrível” com a Gilead pelos 500 mil ciclos de tratamentos, que representam 100% da produção da farmacêutica em julho, 90% em agosto e 90% em setembro.

Embora o remdesivir possa ajudar na recuperação e possivelmente impedir que as pessoas sejam tratadas em terapia intensiva, os estudos até agora não deram nenhuma indicação clara sobre se ele pode impedir a morte por coronavírus. Acredita-se que antivirais — como o remdesivir — sejam mais eficazes nos estágios iniciais da doença, mas que, para os casos em que a doença está mais avançada, os medicamentos mais adequados seriam os imunológicos.

Um tratamento à base de remdesivir utiliza seis doses, em média, e custará oficialmente quase US$ 3.200 (cerca de R$ 17 mil).

Tanto o anúncio de Trump sobre a aquisição massiva quanto o anúncio da Gilead sobre o preço do medicamento despertaram críticas ao redor do mundo.

Para Peter Horby, professor da Universidade de Oxford, no Reino Unido, era mais ou menos esperado que isso ocorresse porque a fabricante Gilead é uma empresa comercial americana submetida a pressões políticas locais.

Horby relembra que os testes que habilitaram o remdesivir como tratamento contra a covid-19 incluíram pacientes de diversos outros países, a exemplo do Reino Unido. A situação, para ele, já suscita debate sobre como seria no caso da eventual descoberta de uma vacina.

“Companhias privadas são construídas para se comportar dessa maneira e precisamos de um arcabouço sólido se vamos desenvolver essas coisas que serão usadas em emergências nacionais.”

O preço do medicamento também despertou críticas; um estudo recente apontou que o custo de fabricação do remdesivir não passa de US$ 6 (cerca de R$ 33) por um ciclo completo de tratamento.

O que o governo americano acertou com a Gilead?

Em comunicado divulgado na segunda-feira (29), o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos anunciou que o país havia garantido enormes suprimentos de remdesivir até setembro.

“Na medida do possível, queremos garantir que qualquer paciente americano que precise de remdesivir possa obtê-lo. A gestão Trump está fazendo todo o possível para aprender mais sobre tratamentos para a covid-19 que salvam vidas e garantir ao povo americano o acesso a essas opções”, afirmou Alex Azar, secretário de saúde (cargo equivalente ao de ministro no Brasil).

Segundo a pasta, o medicamento será distribuído a hospitais a partir da regulação das pastas de saúde estaduais e federal, mesmo critério adotado para a distribuição de 120 mil tratamentos da mesma droga durante a fase experimental.

O preço pago pelos pacientes não poderá superar os quase US$ 3.200 estipulados pela Gilead e as entregas serão feitas a cada duas semanas aos hospitais. Nos EUA, não existe um sistema de saúde universal gratuita; os custos são arcados por pacientes ou planos de saúde.

Veja também

Projeto desonera compra de computadores e celulares por professores e alunos da rede pública

O Projeto de Lei 4084/20 permite que professores e alunos da rede pública de ensino …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!