domingo 9 de agosto de 2020
Foto: Assessoria
Home / POLÍTICA / Deputado diz que decisão de posse para famílias de geraizeiros no oeste baiano foi resultado de luta
quarta-feira 15 de julho de 2020 às 17:44h

Deputado diz que decisão de posse para famílias de geraizeiros no oeste baiano foi resultado de luta

POLÍTICA


O deputado federal Valmir Assunção (PT-BA) disse nesta quarta-feira (15) que a decisão da justiça baiana a favor das 120 famílias geraizeiras do oeste do estado foi mais um resultado de luta do povo contra a grilagem no país. Essa decisão é fundamentada após a 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) ter negado o último recurso da Fazenda Estrondo, que questionava a posse das terras, proferida no dia 30 de junho deste ano. “Há comprovação de violação de direitos individuais e coletivos, além de agressões aos geraizeiros. No entanto, a Justiça, com essa decisão, afirma que os 43 mil hectares são das famílias que vivem lá por mais de três séculos. Agora é preciso garantir a posse efetiva, sem mais violências, sem constrangimentos dentro da área reconhecidamente do povo geraizeiro”, frisa Assunção.

Situadas na região conhecida por Matopiba, divisa dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, as comunidades rurais de Aldeia, Cachoeira, Marinheiro, Arroz, Cacimbinha, Gatos e Mutamba são remanescentes de povos indígenas e de quilombolas. As famílias que vivem da produção de caju, buriti e do ‘capim dourado’ na nascente do Rio Preto, afluente da Bacia do Rio São Francisco. A Fazenda Estrondo era um condomínio de 23 propriedades, com 24 empresas ligadas ao agronegócio. Entre as empresas estão a holandesa Bunge e a americana Cargill. “As terras são dos geraizeiros. Isso é indiscutível. Esse caso é um dos maiores casos de grilagem de terra do país. Acompanhamos de perto e até diligência fizemos com a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados [CDHM]. Enfim, saiu o resultado”, descreve o parlamentar baiano.

O processo foi acompanhado por Valmir e pelo também deputado Frei Anastácio (PT-PB), ambos recomendaram, à época, medidas para proteção das comunidades rurais geraizeiras da região oeste. A intenção era garantir a propriedade da terra tradicionalmente ocupada por essas famílias. Essas recomendações foram feitas em uma reunião com representantes do governo baiano e do Poder Judiciário no final de 2019. Conforme Anastácio, o Condomínio Fazenda Estrondo expandia suas terras utilizando títulos falsos de terras. Um levantamento da Associação do Desenvolvimento Solidário e Sustentável (Ades), utilizando dados do Incra, apontou que a fazenda teria sido formada depois da apropriação ilegal de 444 mil hectares da região da nascente do Rio Preto.

Veja também

Prefeito ACM Neto comenta sobre transferência de votos para Bruno Reis

O prefeito ACM Neto (DEM) comentou, na tarde desta sexta-feira (7) após ser questionado pelo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!