quarta-feira 3 de março de 2021
A renegociação deve ser feita diretamente com o Banco do Nordeste ou o Banco da Amazônia. - Foto: José Paulo Lacerda/CNI
Home / NOTÍCIAS / Dívidas com o Finam e o Finor já podem ser renegociadas
quarta-feira 20 de janeiro de 2021 às 17:38h

Dívidas com o Finam e o Finor já podem ser renegociadas

NOTÍCIAS


Uma demanda histórica de empreendedores do Norte e Nordeste acaba de ser contemplada pelo Governo Federal. A partir desta quarta-feira (20), empresas dessas regiões já podem renegociar as dívidas com os Fundos de Investimento da Amazônia (Finam) e do Nordeste (Finor), administrados pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR). O prazo para renegociação dos débitos vai até 18 de dezembro.

“Essas são dívidas de décadas, muitas vezes impagáveis. Ao longo dos anos, as regras para a tomada do crédito e para o pagamento desses empréstimos foram alteradas, mas as correções não foram feitas. Com essa medida, estamos beneficiando milhares de empresas e possibilitando a criação de milhões de empregos no país. Nosso trabalho é facilitar a vida de quem produz e é isso o que estamos fazendo”, destacou o Presidente da República, Jair Bolsonaro, na assinatura da portaria.

A negociação permite a quitação das debêntures com descontos que podem chegar a até 70% do valor total do débito no caso de quitação, com a possibilidade de exclusão de encargos e de juros de mora por inadimplência.

Outra possibilidade é a extensão do pagamento em até sete anos, incluídos dois anos de carência. Em qualquer caso, será estabelecida uma nova base de cálculo de indexação da dívida, aproximando a realidade desses fundos ao praticado no mercado. A renegociação deve ser feita diretamente com a instituição financeira – Banco do Nordeste (Finor) e Banco da Amazônia (Finam).

Inadimplência

O índice de inadimplência das carteiras de debêntures do Finam e Finor chega a 99% em consequência da complexidade do sistema, da alta carga moratória de juros e da insegurança jurídica causada por várias mudanças legais, principalmente entre 1991 e 2000. A dívida de empreendedores com os dois fundos chega a R$ 49,3 bilhões.

“Por esse montante ser muito elevado, a execução judicial dos débitos tem sido muito lenta e ineficiente. Ou seja, os fundos não conseguem reaver os recursos e os empreendedores se mantêm endividados e com pouca capacidade de investir em novos negócios e postos de trabalho”, afirmou o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho. “Nossa meta é atender mais de 1,7 mil empresas e renegociar entre R$ 1,5 bilhão e R$ 5 bilhões, com retorno para os fundos de R$ 400 milhões a R$ 1 bilhão”, frisou.

Para participar, as empresas devem ter recebido o Certificado de Empreendimento Implantado (CEI), estarem com projetos em implantação regular ou terem tido incentivos financeiros cancelados por fatores externos. A renegociação de dívidas permite ao devedor limpar o nome perante as instituições bancárias e retirar possíveis restrições para a tomada de crédito perante outras modalidades oferecidas.

Veja também

Colbert apela para Estado aumentar leitos para Covid-19 em Feira de Santana

Governo Municipal vai ampliar em mais cinco leitos de UTI O prefeito de Feira de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!