domingo 28 de fevereiro de 2021
Foto: Reprodução/Poder360
Home / DESTAQUE / Divididos, movimento por greve de caminhoneiros perde força
domingo 31 de janeiro de 2021 às 18:48h

Divididos, movimento por greve de caminhoneiros perde força

DESTAQUE, NOTÍCIAS


A possibilidade de uma paralisação de caminhoneiros nesta segunda-feira, 1º de fevereiro aos moldes da greve de 2018 é cada vez mais remota. Lideranças ouvidas pelo Poder360 avaliam que a tendência é haver protestos pontuais. A categoria é bastante dividida e não há união em torno do tema. É um cenário muito diferente do visto há 2 anos atrás.

Os caminhoneiros reivindicam o fim da política de paridade de preços com o mercado internacional praticada pela Petrobras. Criticam os aumentos de 5,05% e 4,98% nos preços da gasolina e do diesel, respectivamente.

Tarcísio Freitas, ministro da Infraestrutura, é o responsável no governo para articular as políticas públicas com a categoria. Ele vem reunindo-se com diversas lideranças por meio do Fórum do Transporte Rodoviário de Cargas. Tem ouvido diversas queixas, mas aposta em um ato mínimo.

“Não devemos ter greve. A mobilização é baixa. Sabemos que a situação é super difícil para eles. Mas, a maioria tem uma compreensão incrível do momento pelo qual passamos e não vai aderir. Podemos ter alguns pontos isolados de protestos, que devem se desmobilizar rapidamente. Além disso, vamos seguir em frente na nossa agenda de trabalho”, disse ao Poder360.

O presidente Jair Bolsonaro pediu no sábado (30) para a categoria não cruzar os braços. Bolsonaro tem grande influência no setor. Grande parte deles apoiou o capitão reformado no caminho à Presidência da República.

“Sabemos dos problemas deles. Se tivesse condições, zeraria PIS/Cofins para o óleo diesel, que está em R$ 0,33, mas vamos tentar zerar pelo menos, mas não é fácil”, afirmou o presidente a jornalistas em Brasília.

Bolsonaro argumenta que “foi em cima da Petrobras” para entender o porquê de o combustível ser caro. Ele ouviu do presidente da estatal, Roberto Castello Branco, que a cotação acompanha o valor internacional e que o suprimento interno é o mais barato dos Brics, grupo de países que reúne Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Para neutralizar o aumento dos preços com a redução do PIS/Cofins sobre o combustível, será necessário uma nova fonte de receita, o que é muito difícil. Para reduzir cada centavo, é necessário uma compensação de R$ 800 milhões por ano. A um dia da nova greve, o Ministério da Economia não definiu se a redução será concretizada.

O governo tentou aplacar os ânimos dos caminhoneiros ao zerar o imposto de importação de pneus para veículos de carga e incluir os motoristas no grupo prioritário de vacinação contra a covid-19.

Dificuldades do setor

Os caminhoneiros também reclamam do descumprimento da tabela de frete. Em áudio que circula nas redes sociais, Freitas diz que nada pode fazer. “A fiscalização não é efetiva e não vai ser nunca”. Segundo ele, foram aplicadas 13 mil multas nos contratantes que descumpriram a lei, que de nada adiantaram. “Como vai tirar o direito de um embarcador ou de uma transportadora de contratar mais barato?“, argumentou o titular da pasta da Infraestrutura em conversa com representantes da Associação dos Caminhoneiros e Condutores de Capão da Canoa.

Outra queixa do setor é sobre a aprovação da BR do Mar. O projeto de lei estabelece a cabotagem no ramo de transportes. Da forma como está, pode impulsionar a migração dos caminhoneiros de longa distância para a curta, o que deve saturar o mercado.

Mas a principal reivindicação da categoria continua relacionada à política de preços da Petrobras. As despesas com o diesel significam de 50% a 60% do valor da viagem. O presidente da ANTB (Associação Nacional do Transporte Autônomo do Brasil), José Roberto Stringasci, afirmou que a empresa não foi criada para gerar riqueza para meia dúzia. “A Petrobras é nossa e tem que ajudar o povo brasileiro e o Brasil. Queremos preços nacionais para os combustíveis, com reajuste a cada seis meses ou um ano”.

Baixa adesão

Roberto Stringasci diz que o ato marcado para 2ª feira será maior que a greve de 2018. Um dos coordenadores da paralisação, que vem sendo discutida desde dezembro, é o presidente da CNTRC (Conselho Nacional dos Transportadores Rodoviários de Cargas), Plínio Dias.

Já a CNTA (Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos) descartou uma nova paralisação. Outras associações, como a Anatc (de transportes de cargas) e a Sertrim (do triângulo mineiro) também.

Algumas lideranças que atuaram na greve de 2018 avaliam que não é hora de parar as atividades em um momento que o país passa por uma das piores crises da história. Em grupos fechados nas redes sociais, motoristas divergem sobre o tema, o que não ocorreu em 2018.

Walace Landim, o Chorão, da Abrava (Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores) divulgou carta dizendo que que não vai participar do ato.

O caminhoneiro Aldacir Cadore, líder do entorno do Distrito Federal, diz que os organizadores do ato desta semana não têm representatividade entre os autônomos. Na avaliação dele, o ato de 1ª de fevereiro terá “meia-dúzias de gatos pingados“.

Porta-voz da categoria no Espírito Santo, Bira Nobre diz que há uma preocupação com movimentos que querem inflamar e colocar fogo nas estradas. “Isso não é caminhoneiro. Caminhoneiro faz uma paralisação inteligente. Aqui não vamos permitir que ninguém bloqueie a estrada. Precisamos garantir um sossego para a sociedade”.

O motorista autônomo Marcelo Silva, de Pernambuco, conhecido como “capitão gancho”, critica os governadores estaduais pelo isolamento social. Sobre o frete barato, disse que é culpa dos motoristas que aceitam um frete mais barato.

Junior Almeida, liderança do movimento em 2018 e presidente do Sindicam, afirma que o governo dialoga com os representantes da categoria e busca fazer uma mudança de cultura no setor.

Impulsionado pela pandemia, a economia brasileira teve uma retração na faixa de 4,3% a 4,5% em 2020. O 1º trimestre deste ano não deve trazer bons resultados. Analistas consultados pelo Banco Central esperam retração econômica nos primeiros 3 meses do ano. Para Junior Almeida, não é hora de cruzar os braços. “Olha o momento que nós estamos!”.

Veja também

Covid: Confira o boletim médico sobre o quadro de saúde do vereador Irmão Lazaro internado na UTI

O vereador de Salvador, Irmão Lázaro (PL), que está internado com Covid-19, tem sido o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!