domingo 9 de maio de 2021
Foto: Reprodução
Home / DESTAQUE / Horário eleitoral começa hoje; veja as regras deste ano
sexta-feira 9 de outubro de 2020 às 06:07h

Horário eleitoral começa hoje; veja as regras deste ano

DESTAQUE, NOTÍCIAS


A divulgação na televisão e no rádio dos candidatos a prefeito e vereador nas eleições municipais de 2020, o chamado horário eleitoral gratuito, começa nesta sexta-feira (9) e tem exibição até 12 de novembro, quando faltarem três dias para a realização do primeiro turno.

Conforme as regras aprovadas nos últimos anos, a propaganda está menos concentrada em uma única faixa de exibição e mais fragmentada ao longo de todo o dia.

O formato em um bloco maior ainda existe, mas, segundo a CNN, a ela são reservados apenas 20 dos 90 minutos de programação partidária. São dois blocos de 10 minutos, veiculados no rádio das 7h às 7h10 e das 12h às 12h10 e na televisão aberta das 13h às 13h10 e das 20h30 às 20h40.

Os outros 70 minutos são destinados às chamadas inserções, aquelas entradas menores, de 15 segundos a 1 minuto.

A lei prevê que, do total reservado para as inserções, 42 minutos sejam direcionados aos candidatos a prefeito e 28 minutos reservados para os candidatos a vereador.

O horário eleitoral é gratuito mesmo?

Mais ou menos. É gratuito para os candidatos e partidos e gratuito para o eleitor ter acesso. No entanto, o governo brasileiro, indiretamente, “compra” as faixas de tempo das emissoras de TV e rádio que exibem o programa e as inserções.

O que ocorre na prática é um desconto do valor que as empresas pagam de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) ao governo.

O valor é calculado a partir de uma fórmula que leva em conta os preços que as emissoras de TV cobram do mercado publicitário para a exibição de anúncios.

Esse “pagamento” é feito através de abatimentos do valor de Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ) pago.

Nas últimas eleições municipais, em 2016, o valor chegou a uma perda de arrecadação de R$ 576 milhões para os cofres públicos.

Como é dividido o tempo?

Assim como ocorre com o Fundo Eleitoral, o horário eleitoral também não é divididos igualmente entre todos os partidos e candidatos.

Do tempo total, 90% seguem a proporção das bancadas na Câmara dos Deputados e os outros 10% são divididos entre todos os partidos, exceto os que não superaram a cláusula de barreira em 2018.

Em coligações maiores do que seis partidos, apenas as bancadas dos seis com mais representatividade são consideradas no cálculo.

O prefeito Bruno Covas, candidato à reeleição pelo PSDB, ocupará a maior parte do horário eleitoral em São Paulo. Em cada bloco de 10 minutos, o tucano terá direito a uma propaganda de 3 minutos e 29 segundos.

Celso Russomanno (Republicanos) terá apenas o quinto maior tempo, com 51 segundos. À frente de Russomano, além de Bruno Covas, os candidatos Márcio França (PSB, 1 minuto e 36 segundos), Jilmar Tatto (PT, 1 minuto e 7 segundos) e Joice Hasselmann (PSL, 1 minuto e 4 segundos).

No Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM) terá o maior tempo, com 2 minutos e 5 segundos, três segundos a mais do que Marcelo Crivella (Republicanos, 2 minutos e 2 segundos). Outros três candidatos terão também mais de um minuto: Luiz Lima (PSL, 1 minuto e 40 segundos), Benedita da Silva (PT, 1 minuto e 15 segundos) e Martha Rocha (PDT, 1 minuto e 11 segundos).

Em Belo Horizonte, João Vìtor Xavier (Cidadania) tem o maior tempo, com 3 minutos e 16 segundos. Outros dois candidatos têm mais de um minuto: Alexandre Kalil (PSD, com 2 minutos e 46 segundos) e Nilmário Miranda (PT, com 1 minutos e 9 segundos).

Em Salvador, Bruno Reis (DEM) tem o maior tempo, com 4 minutos e 35 segundos. Outros três candidatos têm mais de um minuto: Major Denice (PT, 1 minuto e 59 segundos), Olívia Santana (PCdoB, 1 minuto e 10 segundos) e Pastor Sargento Isidório (Avante, 1 minuto e 2 segundos).

Em Porto Alegre, Nelson Marchezan Júnior (PSDB) tem o maior tempo, com 2 minutos e 9 segundos. Outros três candidatos têm mais de um minuto: Sebastião Melo (MDB, 1 minuto e 36 segundos), Manuela D’Ávila (PCdoB, 1 minuto e 14 segundos) e Juliana Brizola (PDT, 1 minuto e 10 segundos).

Cláusula de barreira

Uma novidade deste horário eleitoral são os efeitos da cláusula de barreira, instituída pelo Congresso Nacional em 2017.

A medida exclui do direito ao horário eleitoral os candidatos daqueles partidos políticos que, na eleição geral anterior, não tiverem obtido um mínimo de votos para a Câmara dos Deputados.

Este patamar começou em 2018, com a exigência de 1,5% dos votos válidos, e vai crescer gradualmente até 2030, quando alcançará 3,0%. Esse total ainda precisa ser distribuído entre nove estados brasileiros.

“A cláusula de barreira afeta o horário eleitoral já de 2020, considerando os resultados das eleições de 2018. Os partidos barrados recebem o Fundo Eleitoral, mas não terão tempo de televisão”, explica Marilda Silveira, professora de Direito Eleitoral do Instituto de Direito Público (IDP).

Na cidade de São Paulo, a regra afetará quatro candidatos, que ficam sem tempo na televisão e no rádio. São eles Antonio Carlos (PCO), Levy Fidélix (PRTB), Marina Helou (Rede) e Vera Lúcia (PSTU). No Rio, ficam de fora os candidatos Bandeira de Mello (Rede), Cyro Garcia (PSTU), Henrique Simonard (PCO) e Suêd (PMB).

Em Belo Horizonte, não terão espaço os candidatos Bruno Engler (PRTB), Cabo Xavier (PMB), Marília Domingues (PCO) e Wanderson Rocha (PSTU). Em Salvador, estão fora da TV e do rádio os candidatos Cezar Leite (PRTB) e Rodrigo Pereira (PCO). Em Porto Alegre, Júlio Flores (PSTU) e Luiz Delvair (PCO).

Cessão de tempo

Em São Paulo, o candidato do PSB, Márcio França, afirmou pelas redes sociais que poderia abrir mão de parte do seu tempo para que Antonio Carlos, Levy, Marina Helou e Vera exibam seus comerciais.

Segundo a professora Marilda Silveira, este é um tema que terá que ser analisado pela Justiça, dado o ineditismo da situação de candidatos sem direito a tempo de TV.

No entanto, a especialista afirma que essa cessão tende a esbarrar na regra que proíbe que políticos de outros partidos sejam exibidos pelos candidatos.

“Na prática, não deixaria de ser o tempo daquele candidato que estaria cedendo para o adversário. Se ele não pode exibir um adversário nem no segundo turno, que dirá no primeiro”, opinou Silveira

Veja também

Morte de petroleiro pode confirmar responsabilidade legal de empresas por casos de Covid-19

Uma ação sobre a morte de um petroleiro da Transpetro deve abrir debate na Justiça …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!