domingo 1 de agosto de 2021
Foto: Oli Scarff/AFP
Home / CURIOSIDADES / Israel suspeita de ligação entre vacina da Pfizer e casos de miocardite, diz revista
quarta-feira 2 de junho de 2021 às 17:43h

Israel suspeita de ligação entre vacina da Pfizer e casos de miocardite, diz revista

CURIOSIDADES, NOTÍCIAS


O Ministério da Saúde do governo de Israel afirmou que o pequeno número de casos observados de pacientes com problemas cardíacos que receberam a vacina da Pfizer – majoritariamente homens novos — provavelmente tem ligação com a vacinação.

Em resposta, a farmacêutica disse conforme publicou a revista Veja, estar ciente das observações israelenses e afirmou que não é possível estabelecer uma ligação entre a miocardite e seu imunizante. Além disso, a empresa completou que todas as reações adversas e dados de vacinação são regularmente revisados juntamente com o departamento responsável pelos imunizantes do Ministério da Saúde israelense.

De dezembro de 2020 a maio de 2021, foram reportados 275 casos de miocardite entre mais de 5 milhões de pessoas vacinadas, disse o ministério na divulgação do estudo encomendado para analisar o assunto. De acordo com os dados, a maioria dos pacientes que apresentaram a inflamação não passaram mais do que quatro dias internados e 95% apresentam sintomas leves.

Ainda de acordo com os dados, há uma provável relação entre novos casos de miocardite em pacientes que receberam a segunda dose da vacina da Pfizer, principalmente entre homens com faixa etária entre 16 e 30 anos, sendo ainda mais afetados aqueles que têm entre 16 e 19 anos. No mês de maio, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) já havia recomendado um estudo mais aprofundado para descobrir a possível ligação entre a miocardite e as vacinas que usam a tecnologia RNA, como a Pfizer e a Moderna.

Apesar da recomendação, o CDC afirmou que outros dados referentes à vacina constataram que o número de casos de miocardite após a imunização contra a Covid-19 não difere das expectativas. Para alguns médicos, os pais não devem deixar de vacinar os seus filhos principalmente pelos riscos já conhecidos da Covid-19, que são muito maiores.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) disse na semana passada que os índices de miocardite após a vacinação da Pfizer não eram motivos de preocupação uma vez que as taxas são semelhantes às da população em geral. Além disso, a agência completou que os jovens são particularmente mais propensos a desenvolverem esse tipo de inflamação. Israel evitou tornar a população de 12 a 15 anos elegível para a vacinação alegando que espera dados mais completos do Ministério da Saúde.

Com mais de 55% de sua população vacinada, Israel é um dos exemplos de vacinação contra a Covid-19, somando apenas 340 casos ativos da doença em todo o seu território. Na última terça-feira, o distanciamento social e a obrigatoriedade do passe verde para frequentar determinados estabelecimentos foram cancelados e a economia já funciona sem restrições, embora o turismo ainda esteja sendo controlado.

Como identificar miocardite?

Os sintomas podem variar e podem incluir fadiga, falta de ar, inchaço (edema), percepção dos batimentos cardíacos (palpitações) e morte súbita. O diagnóstico baseia-se no eletrocardiograma (ECG), em medições de biomarcadores cardíacos, exames de imagem do coração e biópsia do músculo cardíaco.

Quanto tempo dura a miocardite?

O tempo de duração de uma miocardite depende da causa da inflamação e do estado geral de saúde do paciente. Em 50% das vezes, a sua resolução é espontânea e ocorre após 2 a 4 semanas. Apenas 25% dos casos se tornam miocardite crônica, que é quando pode levar a uma insuficiência cardíaca.

Veja também

Francesa é condenada por vender certificados de vacinação falsos

Uma funcionária da Previdência Social da França foi condenada a 18 meses de prisão, dos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!