quarta-feira 28 de outubro de 2020
Foto: Divulgação
Home / JUSTIÇA / Justiça Eleitoral julga improcedente representação contra ACM Neto, Brunos Reis e Ana Paula Matos
sexta-feira 16 de outubro de 2020 às 18:55h

Justiça Eleitoral julga improcedente representação contra ACM Neto, Brunos Reis e Ana Paula Matos

JUSTIÇA, NOTÍCIAS


A juíza Maria Martha Goes Rodrigues de Moraes, da 2ª Zona Eleitoral de Salvador, indeferiu os pedidos formulados pela “Coligação Que Cuida de Gente”, formada por PT e PSB, em representação que alegava propaganda institucional por parte do Prefeito ACM Neto (Democratas) e dos candidatos Bruno Reis (Democratas) e Ana Paula Matos (PDT).

Na ação os autores tentaram impedir a veiculação de propagandas relativas ao combate ao coronavírus e pediam a exclusão de postagens das redes sociais de Bruno. O Ministério Público Eleitoral já havia elaborado parecer manifestando-se pela improcedência dos pedidos.

Quanto às propagandas de combate à covid-19, a magistrada afirmou que ainda que fosse realizada publicidade pelos meios oficiais, que não foi o caso, esta não seria ilegal, já que a Emenda Constitucional n° 107/2020 excepcionou condutas referentes ao combate ao coronavírus, no intuito de manter a população informada das medidas sanitárias aplicáveis.

A juíza entendeu, ainda, que ACM Neto sequer deveria ser parte na ação, já que além de não ter exercido qualquer conduta irregular, a notícia impugnada pelos autores foi publicada em meio de comunicação privado, sendo matéria jornalística, sem qualquer característica de publicidade institucional.

“Fez bem a juíza ao considerar que ACM Neto sequer devia fazer parte do processo, porque não se deve confundir atos de gestão com propaganda eleitoral na medida que o mesmo não é candidato nem detentor do tempo de TV”, afirmou a advogada Leila Ribeiro, integrante da equipe jurídica da campanha de Bruno Reis.

Em relação às postagens em redes sociais de Bruno, a magistrada julgou não haver qualquer irregularidade, se valendo de entendimento do Tribunal Superior Eleitoral em caso semelhante, para sentenciar que “não há notícia de emprego de recursos públicos para a produção e divulgação das postagens, assim como inexiste prova de que tenha havido o uso de algum artifício nas postagens impugnadas que permitisse caracterizá-las como redirecionamento dissimulado de publicidade institucional autorizada ou mantida por agente público”.

Veja também

‘Cassação do mandato de Marcell não altera coeficiente eleitoral’, diz advogado eleitoral Ademir Ismerim

Em exercício na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) na condição de suplente de Leo Prates …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!