quarta-feira 4 de agosto de 2021
Home / JUSTIÇA / Justiça manda filho de Bolsonaro deletar vídeo com fake news sobre Haddad

Justiça manda filho de Bolsonaro deletar vídeo com fake news sobre Haddad

sexta-feira 12 de outubro de 2018 às 11:34h

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) determinou na noite desta última quinta-feira (11) que o Facebook e o Twitter tirem do ar uma notícia enganosa sobre o candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, que foi postada pelo perfil de Carlos Bolsonaro (PSL), um dos filhos de Jair Bolsonaro (PSL).

A página do partido do capitão reformado no estado do Rio de Janeiro também postou o vídeo considerado enganoso e, por isso, tornou-se alvo da medida.

Carlos, que é vereador, postou em suas redes sociais um filme no qual Haddad  diz que será possível “subir a rampa com com o ex-presidente Lula no dia 1º de janeiro”. A peça foi editada para dar a entender que o petista falou sobre o assunto após o resultado do primeiro turno. Na verdade, quando gravou, Haddad nem sequer era candidato. O nome do PT para o Planalto, na ocasião, em agosto, era Lula.

De acordo com os advogados do escritório Aragão e Ferraro, que representa a coligação do petista, o filme induz os seguidores a acreditarem que a fala do petista aconteceu no dia última dia 8, após o resultado do primeiro turno das eleições e depois de sua visita a Lula na sede Polícia Federal em Curitiba.

O ministro Carlos Horbachacolheu o argumento. “Ainda que o vídeo seja verdadeiro e contenha declarações reais de Fernando Haddad, sua utilização é descontextualizada, de modo a transmitir ao eleitor informação equivocada, induzindo-o a percepções potencialmente lesivas aos representantes”, escreveu o magistrado.

“A capacidade de desinformação do material é reforçada pelo fato de [a peça] ter sido divulgada pela página do próprio Partido Social Liberal do Estado do Rio de Janeiro no Facebook e pelo perfil de Carlos Bolsonaro no Twitter, bem como pelo fato de existir vídeo do candidato Jair Messias Bolsonaro corroborando a versão incorreta”, salientou o ministro.

Além de determinar a remoção do conteúdo, o TSE pediu para as redes enviares à justiça os IPs dos responsáveis pelo compartilhamento da informação.

De acordo com as medições feitas pelo PT, somados, os posts alcançaram 70.000 compartilhamentos e 1.500.000 visualizações.

Veja também

STF volta nesta segunda com recados em defesa da democracia

Na tarde desta segunda-feira (2), o plenário do STF realiza sessão extraordinária de julgamentos para …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!