quinta-feira 5 de agosto de 2021
Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados
Home / DESTAQUE / Não sei se a oposição quer mesmo o impeachment, diz Lira
domingo 11 de julho de 2021 às 08:14h

Não sei se a oposição quer mesmo o impeachment, diz Lira

DESTAQUE, NOTÍCIAS, POLÍTICA


O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou em entrevista para o canal CNN neste último sábado (10),  que “é preciso ter calma” ao analisar pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro. “O impeachment é muito mais que uma pesquisa, muito mais do que vontade da oposição, que eu nem sequer sei se quer o impeachment mesmo”, diz. “Não é o presidente da Câmara que faz o impeachment”.

De acordo com uma pesquisa divulgada pelo Instituto Datafolha ontem, 54% dos entrevistados são favoráveis à abertura de um processo contra o presidente e 42% aparecem contrários à iniciativa. Outros 4% não souberam opinar.

Para Lira, apesar das pesquisas de opinião, o Brasil não tem condições de lidar com um impeachment neste momento e que, muitas vezes um pedido de deposição acontece por uma vontade de desgastar a administração, “que, com os erros que o executivo tem cometido, vai conseguir”.

“Não temos condição de um impeachment para esse momento. O Brasil não deve se acostumar a desestabilizar a política em cada eleição. Não podemos fazer isso. Precisamos, talvez, alterar o sistema do Brasil para um parlamentarismo”, afirma.

Lira, que mais cedo publicou uma carta aberta respondendo à fala do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre 2022, afirmou que “tem a sua independência e as pautas da Câmara variam da esquerda para o centro para a direita, dando espaço para todos os parlamentares, mas com foco no combate à pandemia, na volta do crescimento e do desenvolvimento do país”.

“Não terá o nosso apoio qualquer insurgência de quebra da regra institucional. Nós defendemos as eleições como a maneira democrática de escolher o nosso representante e também para que a população absorva que não podemos, o tempo todo, ter rupturas políticas, nem a nível de golpe, nem a nível de impeachment caindo toda hora sobre a cabeça dos brasileiros e dos candidatos, principalmente à presidência da república”, diz.

Lira ainda disse que “o legislativo não precisa do executivo para tomar suas decisões” e que, por isso, “não realiza discussões frequentes com o presidente”.

Semipresidencialismo

Em relação a fala de Bolsonaro sobre as eleições de 2022, Lira afirmou que “a Casa não tem compromisso com qualquer ruptura da democracia”. “A Câmara, como a casa do povo, a mais aberta à democracia, está atenta a qualquer tipo de insurgência contra as instituições, a liberdade, e o que o preceito constitucional define como divisão dos poderes. A institucionalidade do Brasil não será posta em risco”, afirma.

A ideia, segundo Lira, é que, a partir de 2026, seja possível a discussão sobre uma homogenização dos regimes políticos — como partir para um regime de semi-presidencialismo ou parlamentarismo. “Nesse regime, se for o caso, é muito menos danoso que caía um primeiro-ministro do que um presidente. Quando um presidente cai, assume um vice que pode não estar alinhado com as propostas do eleito. Como alternativa, talvez isso seja mais simples”, diz.

Veja também

Prefeitura abre inscrições para vagas de estágio no Samu

A Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Gestão (Semge), realiza processo seletivo para estagiários …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!