terça-feira 2 de junho de 2020
Home / CURIOSIDADES / Pesquisadores australianos testam com sucesso antiparasita para matar coronavírus
sábado 4 de abril de 2020 às 17:59h

Pesquisadores australianos testam com sucesso antiparasita para matar coronavírus

CURIOSIDADES, NOTÍCIAS


Medicamento usado no mundo inteiro se mostrou eficaz ao erradicar covid-19 em 48 horas

Pesquisadores da Universidade Monash, em Melbourne, na Austrália, anunciaram nesta última sexta-feira (3) a descoberta de que um remédio antiparasita disponível ao redor do mundo pode ser capaz de matar o novo coronavírus, causador da covid-19.

Segundo o estudo, quando testado em laboratório, a Ivermectina foi capaz de acabar com qualquer material genético do vírus em 48 horas.

O líder do estudo, Dr. Kylie Wagstaff confirmou que, além da eliminação total em 48 horas com uma única dose, o remédio mostrou, também, eficácia na redução da carga viral nas primeiras 24 horas.

Veja também: Vacina contra o coronavírus está sendo testada em Israel

O pesquisador alertou, ainda, que os testes foram realizados in vitro, sendo necessários testes em humanos para garantir a eficácia da droga:

“A Ivermectina é amplamente usada e é vista como uma droga segura. Nós precisamos descobrir agora se a dosagem que é possível de se utilizar em humanos será eficaz”.

Apesar de desconhecer o mecanismo exato de como a Ivermectina atua no coronavírus, o líder do estudo acredita que, baseando-se em estudos anteriores com outros tipos de vírus, ela faz com que vírus pare de “reduzir” a habilidade da célula de se livrar dele.

A droga já havia mostrado eficácia em testes in vitro contra outros tipos de vírus, como os da dengue, da zika, do influenza e até mesmo do HIV.

O próximo passo é definir uma correta dosagem para humanos, garantindo a segurança do paciente, ao mesmo tempo em que o vírus ainda seja afetado. Só a partir daí é que será possível iniciar os testes clínicos.

Veja também

Coronavírus perde força na Bahia e em mais três estados, diz estudo

Um levantamento feito pela Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres apontou que em …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!