segunda-feira 25 de janeiro de 2021
Foto: Divulgação
Home / DESTAQUE / Prefeitos pedem a AL-BA reconhecimento de calamidade pública devido a pandemia
quinta-feira 14 de janeiro de 2021 às 09:19h

Prefeitos pedem a AL-BA reconhecimento de calamidade pública devido a pandemia

DESTAQUE, NOTÍCIAS


Nos últimos dias, quarenta municípios baianos pediram à Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) reconhecimento de calamidade pública em função da pandemia do coronavírus. Os requerimentos, endereçados ao presidente Nelson Leal (PP), foram publicados nas edições do Diário Oficial da sexta-feira (9), terça-feira (12) e quarta-feira (13).

O reconhecimento de calamidade pública pelo Legislativo está previsto no Art. 65 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). O dispositivo abranda os limites da lei, ao suspender contagem de prazos, dispensar atingimento de metas fiscais, assim como limites e condições na contratação de operação de crédito e recebimento de transferências voluntárias de recursos de outros entes federativos.

No sábado, foram nove os municípios que tiveram seus requerimentos publicados, todos ressaltando o apoio da deputada Ivana Bastos (PSD): Iuiú, Novo Horizonte, Jussiape, Lençóis, Serra do Ramalho, Palmas de Monte Alto, Botuporã, Feira da Mata e Matina.

O Diário Oficial de terça-feira trouxe mais 25 municípios na mesma situação, muitos dos quais citando Ivana e os deputados Eduardo Salles (PP), Alan Castro (PSD) e Alan Sanches (DEM). Outros seis pedidos foram registrados no Diário desta quarta-feira, um deles, de Candiba, enviado também aos cuidados de Ivana Bastos. Os ofícios trazem datas entre 4 e 12 deste mês, com exceção do encaminhado por Simões Filho, lavrado em 23 de dezembro do ano passado.

Prudência

O prefeito de Barro Preto, Juraci Dias de Jesus, lembra, na comunicação ao Legislativo, a decisão “proferida pelo excelso ministro do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowsky, nos autos da Ação Cautelar Direta de Inconstitucionalidade 6625, prorrogando o estado de calamidade pública em todo o território nacional até a OMS ou o Governo Federal confirmarem o fim da pandemia”.

A ação, ajuizada pela Rede Sustentabilidade, visava a manutenção dos efeitos da Lei Federal 13.979/20, que se extinguia, no último dia do ano passado, para garantir a continuidade de medidas profiláticas e terapêuticas necessárias ao enfrentamento da pandemia. A decisão de Lewandowsky tem efeito cautelar e deve ser apreciada pelo plenário da Corte. Ao analisar a cautelar, o ministro Ricardo Lewandowski observou que, “por prudência, as medidas excepcionais previstas na Lei 13.979/2020 devem continuar, por enquanto, a integrar o arsenal das autoridades sanitárias para combater a pandemia”.

Reinaldo Teixeira Braga Filho, prefeito de Xique-Xique, destacou “a limitação de recursos e crescente necessidade de mais investimentos na prevenção, controle e combate da infestação da Covid-19 na população, levando a um profundo desequilíbrio das contas públicas”. Nesta mesa linha, Gilmadson Cruz de Melo, de Ibicoara, ressalta “que a pandemia internacional ocasionada pela infecção humana pelo coronavírus apresenta impactos que transcendem a saúde pública e afetam a economia como um todo”.

“O município de Sitio do Mato, por meio dos decretos de números 676/2020, 677/2020 e 678/2020, adotou medidas que resultaram no fechamento do comércio não essencial, suspensão das aulas nas redes pública e privada além de decretar estado de calamidade pública através do Decreto no 688/2020, visto que a rede de Saúde deste município não possui suporte e condições de atender a um eventual e iminente surto de Covid-19”, definiu o prefeito Cassio Guimarães Cursino. As iniciativas e dificuldades relatadas por Cursino estão presentes na preocupação de grande parte das comunicações dos gestores municipais, como Jorge Rogério Costa Souza, de Apuarema.

Dizimação

O prefeito de Simões Filho, Diógenes Tolentino de Oliveira, lembrou que passados aproximadamente 12 meses desde que a OMS reconheceu que a Covid-19 se tratava de uma pandemia, “não apenas os efeitos da doença, bem como a própria doença permanecem presentes em nosso cotidiano, já tendo dizimado 188.285 vidas (dados de 23 de dezembro) apenas no Brasil, exigindo a manutenção das medidas assistenciais de urgência, frente a uma realidade econômica e social ainda mais defasada que no período anterior à pandemia”.

Antônio Elinaldo Araújo da Silva, prefeito de Camaçari, citou a segunda onda da Covid-19 como fator importante para a renovação do estado de calamidade pública no município. “O Brasil, assim como as demais nações, vem experimentando aquilo que se convencionou denominar de segunda onda da pandemia da Covid-19, caracterizada por um aumento expressivo dos números de infecção, internamentos e óbitos em razão da Sars-CoV2 e suas mutações recém-constatadas”, declarou, acrescentando que o enfrentamento ao estágio atual de proliferação da doença “vem demandando significativos incrementos nos gastos direcionados ao sistema de saúde pública, bem assim no âmbito da assistência social, ao passo que as restrições à circulação das pessoas vêm afetando a economia”.

A prefeita de Ipiaú, Maria das Graças Mendonça, ressaltou que o “município vem adotando todas as medidas possíveis, em razão da necessidade urgente de prevenção, controle e contenção de riscos, danos e agravos à saúde pública, a fim de evitar a disseminação da doença, tendo como objetivo a proteção da população local”.

Eunice Barreto Soares Peixoto, de Nazaré, ressalta o “aumento de infecções em todos os estados e crescente ocupação de leitos clínicos e de UTIs”. O prefeito de Terra Nova, Eder São Pedro Menezes, por sua vez, diz que a rede de saúde no município não dispõe de suporte e condições de atender a um novo e iminente surto”.

Além da necessidade de gastos extras, as cidades veem a arrecadação encolher, como explica o prefeito de Paraí do Norte, Ulysses Araújo de Menezes Veiga. “A adoção de todas essas medidas preventivas, pautadas no isolamento social direcionado ao bloqueio da disseminação do vírus, nos âmbitos federal, estadual e municipal, trazem como consequência intrínseca e inevitável o desaquecimento das atividades produtivas e comerciais, com estimativa de redução do Produto Interno Bruto mundial em 2020 de aproximadamente 2%”, disse, concluindo que “tem se instalado cenário de forte diminuição na arrecadação municipal, sobretudo encolhimento dos repasses constitucionais oriundos do ICMS e FPM, dentre outros. Ademais, as receitas próprias do município são ínfimas, possuindo parte pouco significativa no orçamento”.

O prefeito de Conceição do Almeida, Adailton Campos Sobral, citou o vasto território do município e a vizinhança com a BR-101 como complicadores para conter a contaminação dos habitantes. As outras localidades que requereram o reconhecimento do estado de calamidade foram Palmeira, Barra da Estiva, Ponto Novo, Piritiba, Marcionílio Souza, Bonito, Gentio do Ouro, Nazaré, Rio do Pires, Itaguaçu da Bahia, Maragogipe, Lagedo do Tabocal, Ubaitaba, Tanque Novo, Canápolis, Candiba, Aratuípe e Inhambupe.

Veja também

Marcha dos prefeitos a Brasília em defesa dos municípios será em outubro

O maior evento municipalista da América Latina tem nova data para acontecer. Devido ao cenário …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!