segunda-feira 2 de agosto de 2021
Home / DESTAQUE / Ricardo Barros pede ao STF para ser ouvido na CPI da Covid antes do recesso
quinta-feira 8 de julho de 2021 às 15:58h

Ricardo Barros pede ao STF para ser ouvido na CPI da Covid antes do recesso

DESTAQUE, JUSTIÇA, NOTÍCIAS


O líder do governo na Câmara, deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), pediu ao ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski para que o seu depoimento na CPI da Covid no Senado seja agendado para “a próxima sessão após a intimação da liminar” ou antes do recesso parlamentar, que começa em 18 de julho.

O mesmo pedido será feito segundo o Uol administrativamente à Comissão Parlamentar de Inquérito, como informou, em nota, a assessoria de imprensa do deputado. Barros .

Barros já havia requisitado ao Supremo a manutenção da primeira data da convocação, que estava marcada para hoje, mas foi desmarcada, e volta ao STF depois de o presidente da CPI, Osmar Aziz (PSD-AM), anunciar a oitiva para o dia 20 de julho, após o início do recesso.

“Seja concedida a segurança em caráter liminar para determinar que o depoimento do impetrante perante a CPI seja realizado imediatamente na próxima sessão da CPI após a intimação da liminar ou em outra data que Vossa Excelência entenda razoável, desde que até o dia 16.07.2021, garantindo que o depoimento seja realizado antes do recesso parlamentar”, diz o documento protocolado pela defesa do parlamentar.

De acordo com a nota, Barros afirma que sempre se colocou à disposição da comissão e que a CPI comete abuso de poder ao impedir a sua defesa.

“Estou há quase dez dias sendo acusado por ilações e especulações levianas. Não há provas. Desde o início me coloquei à disposição da CPI para prestar os esclarecimentos, quantas vezes forem necessárias. Estão impedindo a minha a garantia do direito constitucional de ampla defesa”, disse.

“É uma tentativa clara de desgastar a minha imagem perante a opinião pública, o que torna ainda mais indispensável o exercício do meu amplo direito de defesa.”

Ricardo Barros, líder do governo na Câmara

Divergência sobre recesso

O presidente da CPI Omar Aziz e o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), têm divergido sobre os trabalhos da comissão durante o recesso parlamentar.

Pacheco diz que a CPI não poderá funcionar durante o recesso, que vai de 18 a 31 de julho. Aziz, por sua vez, afirmou que a comissão seguirá com os trabalhos durante o período de descanso de deputados e senadores.

A expectativa é que Aziz e Pacheco conversem sobre o tema nos próximos dias para chegar a um consenso.

Veja também

Câmara de Salvador aprova Dia Municipal do Terceiro Setor

A Câmara Municipal de Salvador aprovou o Projeto de Lei n° 4/2021, que institui o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!