domingo 7 de março de 2021
Deputado Paulinho da Força (Solidariedade-SP) durante discurso no plenário da Câmara em 2019 — Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Home / JUSTIÇA / STF tenta há quase 1 ano notificar deputado denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro
domingo 14 de fevereiro de 2021 às 17:53h

STF tenta há quase 1 ano notificar deputado denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro

JUSTIÇA, NOTÍCIAS


Sem a notificação, o processo está parado aguardando o início do prazo para que ambos se manifestem

O Supremo Tribunal Federal (STF) tenta há dez meses notificar o deputado federal Paulo Pereira da Silva (SD-SP), o Paulinho da Força, e o chefe de gabinete do parlamentar a apresentarem defesa em uma denúncia por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Sem a notificação, o processo está parado aguardando o início do prazo para que ambos se manifestem. Os dois negam as acusações.

A investigação tem como ponto de partida a delação feita por executivos da Odebrecht em 2016, e a denúncia foi apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em 3 de abril de 2020.

No documento, a subprocuradora-geral Lindôra Araújo diz que a empreiteira fez pagamentos ao deputado para “comprar o apoio do parlamentar (…) notadamente para orientar, influenciar, arrefecer e dissuadir eventuais sindicais contrários aos negócios” e para “comprar o apoio do parlamentar para o incentivo da participação privada no setor de saneamento básico”.

Ainda segundo a denúncia, o chefe de gabinete do deputado, Marcelo de Lima Cavalcanti, foi o responsável por receber os recursos da construtora, em dinheiro vivo, que somaram R$ 1,8 milhão.

Os pagamentos são comprovados, diz a PGR, por registros de contatos entre Marcelo e a transportadora dos valores e por depoimentos de funcionários da empresa, que, de acordo com a procuradoria, confirmam os dados do “sistema de gerenciamento de propinas” da Odebrecht.

Veja também

Saiba como está o jogo da política para 2022

Jair Bolsonaro, ainda em busca de um partido para tentar a reeleição, acredita ter garantido, pelo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!