terça-feira 3 de agosto de 2021
Foto: Roberto Jayme/TSE
Home / DESTAQUE / TSE afasta presidente do Patriota e ameaça planos de filiação de Bolsonaro
sexta-feira 9 de julho de 2021 às 04:55h

TSE afasta presidente do Patriota e ameaça planos de filiação de Bolsonaro

DESTAQUE, JUSTIÇA, NOTÍCIAS


O vice-presidente do Patriota, Ovasco Resende, agora assume o cargo de presidente em exercício

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) afastou o presidente do Patriota, Adilson Barroso, que negocia a filiação do presidente Jair Bolsonaro.

O tribunal confirmou a decisão de uma convenção da sigla realizada em 24 de junho pela ala que é contrária à entrada do chefe do Executivo na legenda.

Segundo a Folha de S. Paulo, a decisão é um revés para o plano de Bolsonaro de disputar a eleição de 2022 pelo partido.

O vice-presidente do Patriota, Ovasco Resende, que era presidente do PRP e se fundiu com a legenda, agora assume o cargo de presidente em exercício. O TSE determinou o bloqueio da senha de Adilson para acesso a dados e informações da legenda na Justiça Eleitoral.

Ele deverá ficar afastado por 90 dias, enquanto será julgado pelo Conselho de Ética. Se necessário, o afastamento poderá ser prorrogado por igual período.

O conflito na sigla teve início após a filiação do senador Flávio Bolsonaro (RJ), em maio. Depois disso, Resende e aliados passaram a acusar Adilson de tomar decisões monocráticas, descumprir as regras do estatuto e manobrar internamente para abrir caminho para a entrada da família Bolsonaro.

Eles também afirmam que o então presidente ignorou o estatuto partidário para aparelhar a convenção nacional e reclamavam da falta de diálogo sobre os rumos do Patriota.

Em negociação para eventual filiação ao partido, Bolsonaro pediu para filtrar as candidaturas ao Congresso e as filiações. Sem citar nomes, o presidente disse que quer evitar traições após a eleição, como ocorreu no PSL.

Aliados de Bolsonaro também querem incluir no DNA do Patriota valores cristãos e uma posição contrária à legalização do aborto para tentar reconquistar votos de evangélicos na eleição de 2022.

A ala da sigla mais ligada ao antigo PRP (Partido Republicano Progressista), que se fundiu ao Patriota em 2018, rejeita embarcar na proposta de transformá-lo em um símbolo da agenda bolsonarista. Alguns membros desse grupo aceitam debater eventual filiação do presidente, mas querem impor condições.

Integrantes do partido ainda pretendem negociar a manutenção do controle de alguns diretórios estaduais e municipais.

Resende diz que não haverá “problema algum” em filiar o presidente, desde que se siga “os critérios e respeite o que foi feito até aqui”. Ele afirmou, porém, que o partido está aberto a receber qualquer candidato à presidência da República, não apenas Bolsonaro.

Veja também

Câmara de Salvador aprova Dia Municipal do Terceiro Setor

A Câmara Municipal de Salvador aprovou o Projeto de Lei n° 4/2021, que institui o …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!