domingo 1 de agosto de 2021
Foto: Reprodução
Home / DESTAQUE / CPI da Covid ouve médica demitida 10 dias após assumir cargo na pandemia; acompanhe
quarta-feira 2 de junho de 2021 às 10:05h

CPI da Covid ouve médica demitida 10 dias após assumir cargo na pandemia; acompanhe

DESTAQUE, NOTÍCIAS


A CPI da Covid, que apura ações e omissões do Poder Executivo durante a pandemia, ouve nesta quarta-feira (2) a infectologista Luana Araújo. A médica, que foi anunciada, em 12 de maio, pelo ministro Marcelo Queiroga (Saúde) como titular da recém-criada Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, teve sua nomeação cancelada apenas dez dias depois.

O motivo da saída da médica não foi explicado por Queiroga nem pelo Ministério da Saúde, que informou apenas que buscaria “outro nome com perfil profissional semelhante: técnico e baseado em evidências científicas”.

Reportagem do jornal O Globo, porém, mostrava que Araújo havia se manifestado em suas redes sociais contra o uso da cloroquina e de outros remédios que o governo chegou a promover ativamente como “tratamento precoce”, apesar de as evidências científicas apontarem que esses medicamentos não têm eficácia contra a covid-19 – e podem, ao contrário, trazer efeitos colaterais graves e gerar uma falsa sensação de proteção.

A convocação de Luana Araújo à CPI visa esclarecer as circunstâncias em torno do cancelamento de sua nomeação.

“Isso aconteceu muito recentemente e ainda há dúvidas sobre o que fez o governo, o Ministério da Saúde, ao não nomear efetivamente essa pessoa. Há rumores de que seria pelo fato de que ela questiona vários pontos da condução política que o governo tem dado ao enfrentamento da pandemia”, disse, segundo a Agência Senado, o senador Humberto Costa (PT-PE).

Ao lado do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), Costa foi autor do requerimento pela convocação de Araújo.

Inicialmente, a CPI da Covid faria nesta quarta-feira uma audiência pública para ouvir médicos e pesquisadores a respeito dos medicamentos do chamado “tratamento precoce”.

Essa audiência, no entanto, foi cancelada. Os senadores críticos ao governo dizem querer ouvir a versão de Araújo antes de convocar um novo depoimento do ministro Marcelo Queiroga.

Secretaria especial

A Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 foi criada em decreto pelo presidente Jair Bolsonaro em 10 de maio, mais de um ano depois do início da pandemia.

A subpasta da Saúde ficaria encarregada de centralizar os esforços no combate à pandemia.

Luana Araújo, que se formou em Medicina pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e fez pós-graduação na Universidade Johns Hopkins (EUA), foi então anunciada como titular do cargo.

Em 12 de maio, o Ministério da Saúde fez um evento de lançamento para a secretaria e para uma campanha de promoção a medidas preventivas contra a covid-19.

Nesse evento, Araújo afirmou que coordenaria “a resposta nacional à covid-19, em diálogo permanente com todos os atores”.

Mas, apenas dez dias depois, em 22 de maio, o Ministério da Saúde emitiu comunicado dizendo que Araújo não exerceria mais a função.

Na ocasião, Queiroga negou que tivesse havido pressão, por parte do Palácio do Planalto, contra a nomeação da médica.

Veja também

Francesa é condenada por vender certificados de vacinação falsos

Uma funcionária da Previdência Social da França foi condenada a 18 meses de prisão, dos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!