quinta-feira 9 de abril de 2020
Marcos Espinal, diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis e Determinantes Ambientais da Saúde da Organização Panamericana de Saúde - AFP / Alina DIESTE
Home / Mundo / MUNDO / Especialista da Opas pede que América Latina se prepare para coronavírus
quinta-feira 12 de março de 2020 às 16:05h

Especialista da Opas pede que América Latina se prepare para coronavírus

MUNDO, NOTÍCIAS


A América Latina e o Caribe devem se preparar para enfrentar a propagação do novo coronavírus, disse à AFP Marcos Espinal, epidemiologista da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

“Agora que uma pandemia foi declarada, os países devem preparar seus centros de saúde porque não haverá um ou dois casos”, disse o diretor do Departamento de Doenças Transmissíveis e Determinantes Ambientais da Saúde da Opas, garantindo que a região “é resiliente”.

O diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que está muito preocupado com os “níveis alarmantes” de propagação e gravidade do surto, bem como com a “inação” para combatê-lo. Isso se aplica às Américas?

Acho que o que ele quis dizer foi que os países deveriam intensificar seus esforços e, é claro, existem países que estão indo muito bem, mas outros provavelmente poderiam se sair melhor. E é uma mensagem para todos. Nas Américas, os países estão trabalhando em estreita colaboração com a Opas para garantir que seus serviços e sistemas de saúde estejam preparados para lidar com o coronavírus.

Quais são os principais desafios?

Agora que uma pandemia foi declarada, os países devem preparar seus centros de saúde, porque não haverá um ou dois casos. Uma pandemia significa que os países devem implementar medidas de mitigação para garantir que os hospitais estejam prontos para tratar os casos de coronavírus. A Opas está enviando missões de apoio a países com situações desafiadoras, como Haiti, Venezuela, Honduras e Paraguai. Mas todo mundo tem que fazer sua parte, governos, sociedade civil, cidadãos, porque é um esforço multissetorial.

 O que a população deve fazer?

Tomar medidas de higiene: lavar as mãos. Muitas pessoas confiam mais nas máscaras, mas essa não é a maneira mais eficaz de evitar a doença. E, se tossirem, devem cobrir a rosto com um lenço ou com o cotovelo flexionado para evitar contágios. Quando uma pandemia é declarada, é porque o vírus está circulando e o objetivo é interromper a transmissão. Isso não significa que possa ser interrompido imediatamente.

As medidas tomadas são extremas?

Todos os países são independentes e soberanos para implementarem as medidas que desejam. Não recomendamos o fechamento de fronteiras ou algo semelhante, mas eles podem fechar escolas e cancelar eventos de massa. Essas medidas fazem parte do processo de mitigação quando há muitos casos a serem atendidos.

Veremos surtos como o da Itália na América Latina?

Isso é difícil de prever. Existem casos em muitos países da América Latina agora e a qualquer momento podemos ver a transmissão da comunidade. Não podemos descartar. E isso não é um fracasso, é o curso natural de um vírus, um novo vírus, que está se espalhando por todo o mundo.

A América Latina está preparada para enfrentar a doença?

A América Latina é uma das regiões do mundo com mais centros de saúde. O que devemos garantir é a capacitação de profissionais de saúde para lidar com isso. A questão principal é que 80% dos casos são leves, não precisam de hospitalização, podem ser tratados em casa. E quando se admite que o vírus está circulando, não é preciso hospitalizar todo mundo porque os leitos devem ser reservados para as pessoas com casos mais graves, aquelas que precisam de assistência respiratória, são idosos ou têm doenças cardíacas ou diabetes, que estão mais propensos de morrer.

Você se preocupa com o colapso dos sistemas de saúde na região?

Eu não ousaria dizer isso. Todos os ministros da saúde estão trabalhando conosco, tivemos uma videoconferência na segunda-feira com o diretor da Opas. Os chefes de Estado estão vigilantes. A América Latina é resiliente. Passou pelas epidemias de H1N1 e zika e os sistemas não falharam, por isso estamos bastante confiantes em nossos sistemas de saúde. Eles sempre podem melhorar, mas podem lidar com isso.

A Opas disse que há uma epidemia em massa de dengue agora na América Latina e no Caribe. A região conseguirá enfrentar os dois problemas?

Os países da América Latina e do Caribe são signatários do Regulamento Sanitário Internacional, que é um tratado vinculante. Inclui várias medidas que os países se comprometem a implementar em termos de vigilância e resposta a doenças. Isso se aplica tanto ao novo coronavírus quanto ao Ebola, à dengue. O surto de dengue está na região há vários anos, com ciclos de altos e baixos. Mais de 3 milhões de casos foram relatados e os países administraram a situação.

A primavera está prestes a começar no norte, mas o outono virá no sul. Como isso afetará a propagação do novo vírus?

O calor pode ajudar a reduzir os casos. No sul, a mensagem é que você precisa se preparar. Mas estamos aprendendo sobre o novo vírus, não sabemos se será sazonal como a gripe. Também temos que esperar para descobrir o número real da taxa de mortalidade. E vemos que as crianças parecem menos propensas a serem infectadas, mas ainda não sabemos.

Veja também

Condutores já podem imprimir em casa documento veicular

Os proprietários de veículos de 13 estados e do DF já podem imprimir o documento …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!