domingo 9 de maio de 2021
Foto: Reprodução
Home / CURIOSIDADES / Ex-mulher de Bill Gates pode se tornar a mulher mais rica do mundo com a separação
terça-feira 4 de maio de 2021 às 18:57h

Ex-mulher de Bill Gates pode se tornar a mulher mais rica do mundo com a separação

CURIOSIDADES, NOTÍCIAS


 A Forbes diz que Melinda já é a mulher mais poderosa no mundo da filantropia, destacando seu trabalho em direitos das mulheres, igualdade de gênero, educação, combate à pobreza e saneamento.

Bill e Melinda Gates já sabem quando a divisão da fortuna de US$ 146 bilhões deverá ser concluída: abril de 2022. Segundo o site americano TMZ, o casal assinou um contrato de separação concordando que seus bens imóveis, bens pessoais e dívidas fossem divididos no acordo de divórcio. Na corte americana, Melinda entrou com um pedido de divórcio na última segunda-feira (3).

Com uma fortuna de US$ 146 bilhões, Bill Gates é o quarto homem mais rico do mundo, segundo ranking da Forbes.

Vale ressaltar que os termos da separação ainda são desconhecidas. Porém, uma pista pode ser encontrado no divórcio de Jeff Bezos, fundador da Amazon e primeiro na lista de bilionários. Com a separação, MacKenzie Scott acabou se tornando a quarta mulher mais rica do mundo.

Mas segundo a imprensa americana, o contrato de separação indica que Bill e Melinda Gates não optaram por um acordo pré-nupcial em 1994, quando se casaram. Muito comum nos EUA, o acordo pré-nupcial é uma garantia legal assinada antes do casamento para impor condições e divisões de bens caso um casal venha a se divorciar. No caso do contrato de separação, as condições podem ser definidas pelos requerentes e não precisa da presença de autoridades para ser assinado.

Melinda, que já estava separada de Gates antes do pedido de divórcio, segundo o acordo que o TMZ teve acesso, não pediu nenhum tipo de pensão e a divisão dos bens será concluída com o auxílio do tribunal americano — como procede um processo de divórcio e divisão de bens nos Estados Unidos. Ainda não é possível saber como a fortuna será dividida. Depois do anúncio do divórcio na segunda-feira (3) Melinda Gates afirmou que o seu casamento de 27 anos com Bill Gates já estava “inevitavelmente quebrado”. Ela poe se tornar a mulher mais rica do mundo, se ficar com a metade da fortuna de Gates, que daria mais de US$ 73 bilhões.

A maior dúvida na separação do casal paira em torno da Fundação Bill e Melinda Gates. A instituição, que já investiu cerca de US$ 53,8 bilhões em projetos filantrópicos desde o ano 2000, contava com a dedicação dos dois desde que Gates deixou o comando da Microsoft, em 2008. Agora paira uma incerteza sobre as atividades de seus fundadores junto à instituição.

Também não é possível saber o impacto do divórcio sobre a Microsoft, mas o papel de Bill na empresa já era reduzido tanto como gestor quanto como investidor. Em março do ano passado, Bill já havia deixado o conselho da Microsoft, seu último cargo relacionado à empresa. Além disso, a fortuna de Gates está menos atrelada à Microsoft do que se imagina. Ele detém apenas 1,36% de ações da Microsoft. Jeff Bezos, em comparação, tem 10% de ações da Amazon. Nesta segunda, as ações da Microsoft não foram afetadas pela informação: após o fechamento do mercado, elas variavam negativamente 0,13%.

“Nos últimos 27 anos, criamos três filhos incríveis e construímos uma fundação que trabalha em todo o mundo para permitir que as pessoas tenham vidas saudáveis e produtivas”, afirmou o comunicado do divórcio.

Mulheres mais ricas do mundo

Dos EUA à China, 328 mulheres entraram na lista dos bilionários da Forbes, em comparação a 241 no ano passado. Ao todo, a fortuna das mulheres da lista equivale a US$ 1,53 trilhão, um aumento de quase 60% em relação ao ano anterior. Juntas, elas adicionaram US$ 570,7 bilhões à sua riqueza, em grande parte devido à recuperação dos mercados de ações em todo o mundo. Doze dessas mulheres compartilham suas fortunas com o marido, filho ou irmão. No ano passado, sete mulheres compartilhavam suas fortunas, incluindo Beate Heister, da Alemanha, uma herdeira da fortuna do supermercado Aldi, que divide o patrimônio com o irmão Karl Albrecht Jr. Uma recém-chegada este ano que também compartilha sua fortuna é Keiko Erikawa, do Japão. Ela e seu marido, Yoichi, fundaram a desenvolvedora de videogames Koei Tecmo há quatro décadas.

Keiko também é uma das 108 mulheres self-made da lista – contra 67 mulheres no ano passado –, atestando a ascensão de mulheres empresárias que se juntaram às fileiras bilionárias. Houve 66 mulheres que, apesar de herdarem sua riqueza, continuaram a aumentá-la. Miuccia Prada, por exemplo, transformou a empresa de moda de luxo da família Prada em uma marca de US$ 2,9 bilhões (vendas em 2020) com seu marido coCEO, Patrizio Bertelli. Além disso, 154 mulheres herdaram sua fortuna, mas não estão ativamente envolvidas em expandi-la, como é o caso de Dagmar Dolby, que possui cerca de 36% da empresa de tecnologia de áudio de capital aberto Dolby Laboratories, fundada por seu falecido marido, Ray Dolby (2013).

A mulher mais rica do mundo, a herdeira da L’Oreal, Françoise Bettencourt Meyers, teve o maior ganho em dólar entre as mulheres cuja fortuna está vinculada a ações públicas. O preço dos papéis da L’Oreal, na qual ela e sua família possuem uma participação de 33%, subiu quase 40% desde março passado, adicionando US$ 24,7 bilhões ao patrimônio líquido de Françoise. MacKenzie Scott, ex-esposa do fundador da Amazon, Jeff Bezos, também ficou mais rica este ano, apesar de seus extensos esforços filantrópicos durante a pandemia. MacKenzie, que se comprometeu a doar sua riqueza “até que o cofre esteja vazio”, doou quase US$ 6 bilhões para instituições de caridade nos Estados Unidos em 2020. No entanto, graças ao aumento das ações da Amazon, que ela herdou no divórcio, seu patrimônio foi a US$ 53 bilhões. No ano passado, sua fortuna era estimada em US$ 36 bilhões.

Mas nem todo mundo ganhou em 2021. A fortuna de 24 mulheres diminuiu no ano passado devido a quedas de ações e diminuição no valor de participações privadas. Em outubro, a bilionária alemã Friede Springer deu 15% da empresa (cerca de US$ 1,2 bilhão) ao presidente-executivo da Axel Springer, editora alemã fundada por seu falecido marido. Em um esforço para encorajar uma transição suave, ela também vendeu para ele mais 4,1% da empresa e agora detém apenas 22%.

Veja quem é a mulher mais rica do mundo (os valores dos patrimônios líquidos são de 5 de março de 2021):

1. Françoise Bettencourt Meyers e família

Fortuna: US$ 73,6 bilhões
Idade: 67 anos
Residência: França
Fonte de riqueza: L’óreal

Françoise Bettencourt Meyers herdou sua fortuna da mãe, Liliane Bettencourt (falecida em 2017), cujo pai, Eugene Schueller, fundou a gigante dos cosméticos L’Oréal. Os lucros da empresa de US$ 33,6 bilhões (vendas em 2020) caíram 6% no ano passado, em parte devido à perda de apetite dos consumidores por maquiagem durante a quarentena. Mesmo assim, as ações subiram 38% graças à recuperação da demanda por cosméticos, especialmente por produtos para a pele. Françoise faz parte do conselho da L’Oreal desde 1997.

Veja também

Morte de petroleiro pode confirmar responsabilidade legal de empresas por casos de Covid-19

Uma ação sobre a morte de um petroleiro da Transpetro deve abrir debate na Justiça …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!