terça-feira 20 de abril de 2021
Foto: Reprodução/ A Tarde
Home / NOTÍCIAS / Ex-prefeitos parabenizam Salvador pelos 472 anos
segunda-feira 29 de março de 2021 às 07:04h

Ex-prefeitos parabenizam Salvador pelos 472 anos

NOTÍCIAS


Salvador faz 472 anos hoje e comemorará o aniversário em meio ao agravamento da pandemia da Covid-19 no Brasil inteiro, com aumento no número de mortes e alta na demanda por Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) em todo o estado.

Um ano duro, difícil, atípico, sem carnaval e todas as festas e eventos que compõem o cenário natural de Salvador. As ruas, antes cheias, pulsando vida, estão vazias, e a cidade, que é comumente associada à alegria, espera, em silêncio e com muito trabalho, a pandemia passar.

Embora o momento não seja animador como Salvador merece, o jornal A Tarde buscou depoimentos dos ex-prefeitos da capital baiana e quis saber, de cada um, a resposta para uma pergunta, no mínimo, emblemática: “Se você fosse prefeito de Salvador nos dias de hoje, que presente pensaria em dar para a cidade?”.

ACM NETO

Meu maior orgulho na vida pública foi ter dedicado oito anos de trabalho como prefeito de Salvador. À frente de uma equipe comprometida com a gestão, cumpri minha missão, elevando o patamar da cidade e resgatando a autoestima de cada soteropolitano. Em 2020, último ano de minha administração, passamos a conviver com o coronavírus, doença que matou mais de 300 mil brasileiros e provocou enormes prejuízos em todos os setores. De março do ano passado, quando surgiram os primeiros casos, até o último dia do meu mandato, toda a Prefeitura se mobilizou para combater a Covid-19, sem nenhuma trégua. As ações sociais e econômicas que empreendemos inspiraram outros gestores e ganharam o reconhecimento em todo o País. Portanto, neste 29 de março, quando a nossa querida Salvador completa 472 anos, o presente que gostaria de dar à primeira capital do país é que Salvador voltasse totalmente à normalidade para que baianos e turistas pudessem curtir e frequentar os espaços públicos e se abraçassem calorosamente. Rezo todos os dias para que todos nós sejamos vacinados e possamos aproveitar todos os atrativos da mais bela cidade do Brasil. Parabéns, Salvador!”.

JOÃO HENRIQUE

Diante do momento atual, dessa pandemia da Covid-19, o presente que eu gostaria que Salvador recebesse de Deus, através de suas autoridades, seria vacinação imediata e rápida para toda as faixas etárias da população. Uma vacinação eficiente, rápida, na velocidade que a cidade precisa, para que as famílias voltem às suas vidas. Hoje é muito triste ver tantas pessoas desempregadas, ambulantes que não conseguem uma renda no final do dia, pessoas passando fome, famílias nas periferias comendo na casa dos vizinhos porque em casa não tem comida, essa situação de drama seria o objeto de um presente urgente: vacinação urgente e eficiente para toda a população. Paralelo a isso, pleno emprego para todo mundo na cidade, e que os ambulantes possam voltar a trabalhar o mais rápido possível, porque hoje estamos vivendo um dilema na cidade e no País: escolher morrer de fome ou de Covid-19. A gente não esperava isso, foi algo completamente inédito, uma coisa dramática, e que tá levando muitas pessoas a ter apenas essas duas opções. É um quadro desesperador, a economia da cidade e do brasil, com PIB negativo, pessoas em casa deprimidas – a quantidade de pessoas deprimidas triplicou de um ano para cá no País. O presente hoje que a cidade precisaria era esse, por conta do contexto histórico, de pandemia. Se tivéssemos em outro momento, claro que eu desejaria outras coisas para Salvador, mas neste momento, o que atinge a todos nós, independente de raça, de credo, de posição social, independente de tudo, é a pandemia.

ANTONIO IMBASSAHY

O presente universal, desejado por todas as pessoas, é a vacinação em massa. Ela é a base de qualquer outro desejo, iniciativa ou obra que nossa cidade precise. Vacina é vida e saúde. É a certeza de que recuperaremos nossa economia e os empregos. Até alcançarmos a imunidade coletiva, os presentes que precisamos são paciência, disciplina e solidariedade. Paciência para aguentar o distanciamento, a saudade e a falta de abraços. Disciplina para usar máscaras e evitar aglomerações. E solidariedade para ajudarmos uns aos outros, com tratamento digno nos hospitais e comida na mesa. Depois disso, o povo de Salvador é quem dará presentes ao Brasil e ao mundo, restaurando a alegria de viver, embalando o cotidiano com música, encantando com suas atrações turísticas, seduzindo pelo paladar da rica gastronomia e envolvendo pelo calor, generosidade e fé das pessoas. Nesse aniversário, meu desejo é por esperança.

LÍDICE DA MATA

Se eu fosse prefeita de Salvador, daria quatro presentes neste aniversário de 472 anos: vacinação em massa, embora ainda estejamos dependendo do Ministério da Saúde; auxílio-emergencial para a parcela mais vulnerável da população; um plano de retomada do desenvolvimento econômico; e um plano municipal de habitação. A nossa cidade avançou muito em diversas questões urbanísticas e até mesmo social nos últimos anos, com investimentos dos governos federal, estadual e municipal, mas ainda há uma enorme desigualdade, sobretudo no acesso da população a direitos básicos como os da educação, moradia, transporte e o principal deles: emprego, uma vez que a cidade tem uma das maiores taxas de desocupados do País, algo em torno de 17%. Já em relação à habitação, a capital baiana também possui um alto déficit. Por isso, talvez seja tão complexo escolher que presente dar a essa cidade mãe, tão amada por todos. Entretanto, eu ainda sonho com dias melhores para o município e também para o seu povo, que é guerreiro e trabalhador.

MÁRIO KERTÉSZ

O melhor presente para a cidade, hoje, seria fazer um movimento amplo de todas as correntes e pensamentos políticos para transformar Salvador em uma cidade-exemplo para o Brasil no combate à pandemia; e assim liberar seu povo para ter uma vida normal. Isso porque, para mim, o fundamental agora é tentar juntar os negacionistas e os não-negacionistas em um único propósito, o de salvar vidas. Nada mais é importante para a cidade hoje do que isso. É uma tarefa muito difícil, mas não é impossível.

EDVALDO BRITO

Daria a execução de um plano de gestão destinado a transformar Salvador em uma cidade inclusiva e para todas as estações climáticas. Inclusiva porque Salvador continua a receber investimentos para o bem-estar social, sempre, nas mesmas áreas urbanas. Os melhores equipamentos materiais são propiciados nas áreas nobres; bem assim, os instrumentos de promoção social: creches, escolas, bibliotecas, hospitais etc. Quando fui prefeito, de 19 de agosto de 1978 a 7 de abril de 1979, portanto, 7 meses e 20 dias, construí, nas áreas pobres, duas bibliotecas públicas – “Edgard Santos”, em Itapagipe e “Denise Tavares”, na Liberdade – e concentrei nessa áreas a construção de salas de aula e de unidades médico-odontológicas, pensando na ascensão social dos menos favorecidos economicamente. Cidade para todas as estações climáticas porque Salvador caracteriza-se, ainda hoje, como uma cidade de verão: quando chove, continua uma cidade de alagamentos. Fiz a drenagem da chama bacia do Comércio, colhendo as águas de chuva que descem pela ladeira da Montanha, canalizando-as para o mar, através da rua Santos Dumont e despejando-as no cais da Praça Cairu; aquelas que descem do Taboão e que inundavam o prédio da Associação Comercial, despejando-as na área do porto. Concluí a drenagem do Rio das Tripas que passa sob o leito da Baixa dos Sapateiros, desde a Barroquinha até o Aquidabã; a Manoel Dias da Silva, na Pituba… fiz várias drenagens. São obras sem placas de inauguração, que somente os jornais da época registraram, como o editorial do A TARDE, datado de 14 de março de 1979.

Veja também

Prefeito de Curitiba, Rafael Greca sofre AVC

 Após se sentir mal, o prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM), foi internado nesta terça-feira …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!