segunda-feira 26 de outubro de 2020
Foto: Reprodução
Home / JUSTIÇA / Jogadora é denunciada ao STJD após fala com “Fora, Bolsonaro”
terça-feira 29 de setembro de 2020 às 08:53h

Jogadora é denunciada ao STJD após fala com “Fora, Bolsonaro”

JUSTIÇA, NOTÍCIAS


A procuradoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) denunciou a jogadora Carol Solberg ao tribunal com base em dois artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD): o 191 -deixar de cumprir o regulamento da competição- e o 258 -assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva não tipificada pelas demais regras do código. Pelo primeiro, a punição varia de R$ 100 a R$ 100 mil. Pelo segundo, suspensão de uma a seis partidas.

STJD denuncia jogadora que lacrou 'Fora Bolsonaro' e multa pode chegar a  R$100.000

No termo de participação do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia 2020/2021, anexo ao regulamento do torneio, os jogadores se comprometem “a não divulgar, através dos meios comunicações, sua opinião pessoal ou informação que reflita críticas ou possa, direta ou indiretamente, prejudicar ou denegrir a imagem da CBV e/ou os patrocinadores e parceiros comerciais das competições”.

O “comprovado descumprimento” dessa regra prevê que o atleta pode ter sua participação vetada pela CBV na próxima etapa do circuito. No entender da procuradoria do STJD do vôlei, Carol teria descumprido esse trecho do regulamento.

O procurador-geral Fábio Lira não quis comentar a relação entre essas proibições e a fala contra o presidente da República. “O tema é bastante complexo e rico e tenho certeza que a comissão que ficar responsável pelo julgamento abrilhantará ainda mais o debate da questão”, disse ele.

O caso ocorreu após a partida pelo bronze da etapa de Saquarema (RJ) do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia. No final do jogo, Carol Solberg disse: “Fora, Bolsonaro” em entrevista ao SporTV, que transmitia o torneio domingo de manhã. A súmula do jogo, porém, não cita a fala, ocorrida depois que a súmula foi fechada e, o jogo, dado como encerrado.

Após a declaração repercutir, a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) emitiu nota repudiando a postura da Carol. No entender da confederação, a jogadora “denegriu” a modalidade -o termo é considerado racista.

A Comissão Nacional de Atletas de Vôlei de Praia, presidida por Emanuel Rego, também criticou Carol, avisando que vai lutar pela proibição de posicionamentos do tipo. Emanuel foi embaixador do Banco do Brasil, secretário no governo Bolsonaro e tem promessa de voto da CBV na eleição do COB.

Nas redes sociais, perfis bolsonaristas atacaram Carol e cobraram que o Banco do Brasil retire o patrocínio a ela. Carol, na verdade, não é patrocinada pelo banco. Diversos perfis bolsonaristas também reproduziram notícia falsa sobre um site de apostas ter cancelado o patrocínio à jogadora. Esse patrocínio, porém, se encerrou em novembro de 2019, quando Carol encerrou dupla com Maria Elisa.

Veja também

TRE-BA empossa novos servidores

O Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) empossou na última quinta-feira (22), na sala de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!