quinta-feira 5 de agosto de 2021
Foto: Reprodução
Home / Mundo / MUNDO / Pegasus e o ‘lado oculto’ da diplomacia tecnológica israelense
segunda-feira 19 de julho de 2021 às 16:25h

Pegasus e o ‘lado oculto’ da diplomacia tecnológica israelense

MUNDO, NOTÍCIAS


Israel se orgulha de ser um pioneiro em inovação tecnológica, mas as acusações de espionagem de jornalistas e ativistas por meio do programa Pegasus da empresa israelense NSO refletem o lado oculto dessa diplomacia digital.

Criada em 2010 por Shalev Hulio e Omri Lavie e com sede em Herzliya, ao norte de Tel Aviv, a empresa israelense NSO é frequentemente criticada por seu programa Pegasus.

Este programa espião não serve apenas para acessar os dados de um smartphone, mas também assume o controle da câmera e do microfone.

No domingo, 17 veículos internacionais revelaram pelo menos 180 jornalistas, 600 políticos, 85 ativistas de direitos humanos e 65 empresários foram hackeados com o Pegasus.

Em Israel, este programa é considerado uma “arma” e para ser vendido aos serviços secretos de outros países deve obter a aprovação do ministério da Defesa de Israel.

Veja também

Inclusão de Bolsonaro em inquérito das fake news poderia gerar impeachment

A determinação feita pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), para que …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!