segunda-feira 12 de abril de 2021
Foto: Reprodução
Home / JUSTIÇA / Procuradores da “lava jato” queriam envolver EUA em caso de compra de caças
segunda-feira 22 de março de 2021 às 17:27h

Procuradores da “lava jato” queriam envolver EUA em caso de compra de caças

JUSTIÇA, NOTÍCIAS


Embora não ligassem para a quebra de empresas brasileiras, os procuradores da extinta “lava jato” de Curitiba queriam defender os interesses da multinacional norte-americana Boeing. A informação consta em uma nova leva de mensagens enviadas pela defesa do ex-presidente Lula ao Supremo Tribunal Federal nesta segunda-feira (22) conforme publicou o ConJur.

Além do entreguismo puro e simples, os integrantes do Ministério Público Federal no Paraná sempre estiveram de olho em parte de eventuais multas aplicadas contra empresas nos Estados Unidos.

As conversas envolvem a compra de nove caças da sueca Saab. A operação, que visava atualizar a frota da Força Aérea Brasileira (FAB) envolveu três gestões, começando com Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e sendo concluída no governo de Dilma Rousseff (PT).

Ainda assim, os procuradores queriam pegar Lula por suposto tráfico de influência na negociação dos caças e, para isso, resolveram envolver autoridades dos Estados Unidos.

“Vou verificar a situação da SAAB Gripen junto aos EUA, mas em princípio não são emissoras de ações lá. Então para haver o interesse americano, precisaremos identificar alguma conta bancária ou transmissão de email que tenha se valido de provedor americano (o que é fácil)”, diz o procurador Paulo Galvão a colegas em 5 de agosto de 2016.

“Não sei se eles conseguem atuar só com base no fato de uma empresa americana ter sido prejudicada na concorrência”, prossegue. A empresa citada é a Boeing, uma das companhias que participou das negociações das aeronaves, mas acabou perdendo a concorrência para a Saab.

Como a “lava jato” considerava que o material disponível não era o suficiente para imputar crimes a Lula, já que “sem a intervenção [do ex-presidente] no financiamento, o fato é atípico”, eles pretendiam identificar “um servidor público da ativa” na época da compra dos caças “para ser denunciado em conjunto” com o petista.

“Importante destacar, à luz dos mesmos diálogos, que os membros da ‘força-tarefa’ agiram como uma espécie de despachantes de agências estrangeiras, em especial do DoJ [Departamento de Justiça dos EUA] e da SEC [Securities and Exchange Commission]”, afirmou a defesa do ex-presidente no documento enviado ao STF.

Veja também

Jaques Wagner diz que ‘momento é inadequado’ para CPI da Covid

O senador Jaques Wagner (PT) não assinou a lista de apoio à criação da CPI …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!