segunda-feira 28 de setembro de 2020
Foto: Divulgação / Ascom
Home / NOTÍCIAS / Vereadora se posiciona contrária ao aumento do desconto do FUNPREV
quarta-feira 16 de setembro de 2020 às 13:31h

Vereadora se posiciona contrária ao aumento do desconto do FUNPREV

NOTÍCIAS


Um dos principais debates que fervilham entre a classe servidora da Bahia é o aumento da contribuição do FUNPREV. O Fundo Financeiro da Previdência Social dos Servidores Públicos do Estado da Bahia, o qual abriga todos os servidores públicos estatutários dos poderes do Estado da Bahia, ingressos no serviço público até o dia 31 de dezembro de 2007, teve a base de cálculo dos aposentados alterada pelo Governador Rui Costa.

A vereadora Aladilce Souza (PCdoB), também Ouvidoria da Câmara Municipal, declarou a atitude como inconstitucional. “O desconto do FUNPREV ocorreu devido a emenda 26 que foi aprovada pelo Governo do Estado em fevereiro deste ano. De acordo com a nossa Constituição Federal, a base de cálculo para contribuição dos aposentados será o que ultrapassar o teto do INSS, o qual é de seis salários mínimos. Com a reforma da previdência do Estado da Bahia, a base de cálculo caiu para 3 salários mínimos, dobrando a contribuição”, explica.

“Essa reforma conseguiu ser pior do que a de Bolsonaro quanto aos aposentados, pois o Governo da Bahia fez a lei complementar aumentar a base de contribuição deles”, compara. A APLB Sindicato e o Sindsaúde já estão questionando a inconstitucionalidade dessa mudança perante o STF para suspender a cobrança .”O Sindsaúde fez verdadeiras batalhas contra essa reforma, inclusive com ações. Porém, a medida foi aprovada em fevereiro, mês em que as pessoas estavam desmobilizadas”, comenta Aladilce que também é diretora do Sindsaúde licenciada.

Aumento drástico

Segundo uma fonte que forneceu dados de contracheque, em maio deste ano recebeu um desconto de R$171,14. Já em agosto, o valor saltou para R$420,29. “Os colegas estão sem entender o que aconteceu e o porquê desse desconto absurdo! Tenho algumas mensagens de colegas que foram aposentados por invalidez e já recebem um baixo salário e vive desse salário para remédios, alimentação e despesas em geral de casa . Agora estão sem saber o que fazer e não tivemos nenhuma explicação. Uma verdadeira incoerência”, revela.

A parlamentar comentou que o Sindicato continua a cobrar a suspensão da emenda. “Além de providenciar uma ação para suspender essa cobrança inconstitucional, o Sindsaúde também entrará com uma obrigação de repetição de indébito dos descontos ilegais. Ou seja: além da suspensão, terá que haver uma devolução do que foi cobrado de forma indevida. Precisamos de grande adesão da classe para rever esse retrocesso”, conclama.

Veja também

Vereadora Cátia Rodrigues pede reabertura de buffets e casas de eventos

A vereadora Cátia Rodrigues (DEM) apresentou o Projeto de Indicação nº 494/2020 sugerindo ao prefeito …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!